AUXÍLIO EMERGENCIAL

Devolução do auxílio emergencial dobra após operações prenderem fraudadores

Cerca de 117,1 mil pessoas devolveram voluntariamente o benefício. No entanto, TCU identificou mais de 620 mil fraudes

Auxílio Emergencial

Auxílio Emergencial

Pouco mais de 117 mil pessoas devolveram o auxílio emergencial de R$ 600, concedido pelo governo federal a famílias de baixa renda durante a crise econômica causada pela pandemia de Covid-19, por terem recebido o valor indevidamente.

No total, o valor devolvido foi de R$ 113,6 milhões, referente a quaisquer parcelas do auxílio de R$ 600. Os dados foram obtidos pelo Metrópoles via Lei de Acesso à Informação (LAI). O levantamento foi realizado desde o início do pagamento até as 15h dessa última sexta-feira (7/8).

O número de pessoas que devolveram o auxílio emergencial cresceu exponencialmente a partir de 12 de junho, quando foi divulgado o primeiro levantamento de quantas pessoas haviam feito a devolução do valor antes de serem intimados pela Justiça.

Até a data, 39,5 mil usuários se cadastraram para devolver o montante recebido. A plataforma para devolução dos valores começou a operar em 18 de maio.

Entre 12 de junho e 7 de agosto, foram registradas uma série de ações das autoridades como forma de combater o recebimento ilegal do valor. Como resultado, o tanto de pessoas que optaram por devolver o dinheiro voluntariamente mais que dobrou.

Foram, no total 76 mil pessoas, ou seja, quase o dobro do número inicial.

Plataforma

A plataforma foi aberta em 18 de maio deste ano. O site (acesse aqui) é para as pessoas devolverem – por livre e espontânea vontade, no primeiro momento – o auxílio de R$ 600 caso acreditem ter recebido o benefício fora dos critérios. É preciso informar somente o CPF.

Nessa conta, o TCU identificou 235 mil empresários, 221 mil pessoas que já ganhavam benefícios do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), 134 mil servidores públicos, 17 mil mortos, além de outras tantas e variadas irregularidades.

O relatório do TCU, com a lista dos beneficiários que receberam o auxílio indevidamente, foi enviado para o Ministério da Cidadania, responsável pelo programa do auxílio emergencial, e para o Ministério Público Federal (MPF), para avaliar possíveis responsabilidades no âmbito penal.

Em junho deste ano, o Ministério da Cidadania resolveu bloquear o cadastro de 1,3 milhão de CPFs por suspeita de fraude ou inconsistências no recebimento do auxílio emergencial de R$ 600. As contas estão bloqueadas até que seja feita uma verificação detalhada.

De acordo com o presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, 49% dessas contas foram suspensas por “inconsistências cadastrais” e 51%, por suspeitas de fraudes. Ele anunciou também uma operação da Polícia Federal (PF) contra supostos hackers que teria roubado o dinheiro do auxílio de R$ 600.

“Muitas vezes se trata essa questão do hacker com romantismo. E não é, porque é bem grave. Como a gente tá indo para caminho mais digital, é tão grave [hackear] quanto o cara que pega uma arma e vai para a violência. Porque na questão do hacker, você tem um estrago muito maior. Quem assalta carro-forte consegue fazer um de cada vez, o hacker consegue fazer algumas contas por vez”, disse.

“E, num momento de pandemia, eles tiram dos mais carentes. Porque nós vamos ressarcir as contas hackeadas, mas pode demorar. Então, se demorar duas ou três semanas para provar, é um tempo em que pessoas carentes vão ficar sem o recurso”, completou o presidente da Caixa.

Fonte: Metrópoles

Dê sua opinião: