CONVERSAS PORNOGRÁFICAS

Homem que mantinha conversas pornográficas com adolescentes é preso pela PCDF

O homem se passava por uma menina jovem e estimulava vítimas, do sexo masculino, a se relacionarem virtualmente com ele

Imagem ilustrativa

Imagem ilustrativa

A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), por meio da Seção de Atendimento à Mulher da 12ª Delegacia de Polícia (DP), após meses intensos de investigação, cumpriu mandado de prisão, no interior do Maranhão, de um homem que mantinha conversas pornográficas com adolescentes. 

O homem começou a ser investigado após uma ocorrência ser registrada noticiando que um perfil, em uma rede social, mantinha conversas de cunho pornográfico com um adolescente de treze anos, morador de Taguatinga. 

Foi necessário intenso trabalho para identificar a autoria dos fatos, visto que, ciente do crime que estava cometendo, o autor era extremamente discreto nas redes sociais e muito cauteloso na criação dos perfis.

O homem se passava por uma menina jovem e estimulava vítimas, do sexo masculino, a se relacionarem virtualmente com ele. Ao ganhar a confiança dos jovens, as comunicações passavam a ser feitas via aplicativo. Com o passar do tempo, o homem, utilizando-se deste perfil, fazia várias solicitações de fotos das vítimas nuas, bem como exigindo que estas também se comunicassem com um outro perfil, agora masculino, utilizado pelo mesmo autor, para o qual também deveriam dispor as imagens de nudez. Saliente-se, ainda, que o autor exigia que os arquivos contendo a nudez/pornografia infanto-juvenil mostrassem os rostos das vítimas.

O autor se comunicava com as vítimas de forma quase ininterrupta e se utilizava da experiência de um homem de 31 anos para manipular crianças/adolescentes na faixa etária de 11 a 14 anos. Durante as conversas, as exigências ficavam cada vez maiores e as vítimas já não conseguiam negar os pedidos do autor, vez que eram ameaçadas de terem suas intimidades virtualmente expostas em grande escala.

Importante registrar que o autor exigia condutas ativas das vítimas em seus próprios corpos, dizendo explicitamente o que queria daqueles vídeos. Em diversas oportunidades, o autor exigia que as vítimas introduzissem objetos no ânus, ou se masturbassem, registrando tudo por meio de filmagens. Diante de qualquer negativa ou negociação por parte das vítimas, o autor se tornava agressivo. Emocionalmente fragilizados e constrangidos em revelar a situação a familiares, alguns adolescentes chegaram a cogitar suicídio.

Verificando-se, posteriormente, grande quantidade de vítimas, tanto no Distrito Federal, quanto em outros Estados, relacionadas aos dois perfis do Instagram, utilizando-se do mesmo modus operandi, foi iniciada a Operação Catfish, nome escolhido por ser este termo, em inglês, relacionado ao uso de perfis falsos com o intuito de atrair interlocutores diversos. 

Conforme levantamentos preliminares, as prováveis vítimas do autor, somente no Distrito Federal, devem ultrapassar de sessenta adolescentes. A PCDF divulga, como forma de alerta aos pais, dois perfis utilizados para a prática de pedofilia.

Fonte: Jornal de Brasília

Dê sua opinião: