EUROPA

França envia caças e navios da marinha para se juntar às forças gregas

O Ministério da Defesa francês informou que isso faz parte dos planos de ampliar a presença militar naquela área.

Emmanuel Macron

Emmanuel Macron

A França disse na quinta-feira (13) que estava enviando navios da Marinha com dois caças do tipo Rafale para o Mediterrâneo oriental. O Ministério da Defesa francês informou que isso faz parte dos planos de ampliar a presença militar naquela área. As fragatas francesas participam nesta semana de exercícios militares conjuntos com as forças da Marinha Helênica.

A medida é uma resposta às crescentes tensões entre a Grécia e a Turquia, resultado de projetos turcos de busca de petróleo e gás no fundo do mar. A Turquia reivindica grandes áreas de leito marinho como parte exclusiva de sua plataforma continental. A Grécia afirma que a Turquia entra em águas onde o fundo deve ser contado como a parte grega do fundo do mar.

Em um comunicado na quarta-feira (12) , Macron alertou a Turquia para interromper a exploração de petróleo e gás em águas disputadas. Ele disse que a França vai “reforçar temporariamente” sua presença militar para “monitorar a situação na região e marcar sua determinação em respeitar o direito internacional”.Ele também afirma que a prospecção deve “cessar para permitir um diálogo pacífico” entre a Turquia e a Grécia.

Macron discutiu as preocupações sobre a exploração “unilateral” pela Turquia em uma ligação com o primeiro-ministro grego Kyriakos Mitsotakis.

No entanto, o ditador turco, Recep Tayyip Erdoğan, não ficou impressionado com o aviso de Macron. Ele disse que o navio de pesquisa sísmica da Turquia, Oruc Reis, continuará perfurando até 23 de agosto.

Erdoğan afirmou que não quer que o conflito se intensifique, mas quer resolver a questão pelo diálogo. O ditador disse que está em contato com a chanceler alemã Angela Merkel e o presidente da UE, Charles Michel. Ele acusou Macron de se envolver em aventuras neocoloniais na região e apontou para a rápida visita de Macron ao Líbano, após o desastre de 4 de agosto da explosão no porto de Beirute. Ele chamou a performance de Macron em Beirute de “um espetáculo da mídia que visa restaurar a ordem colonial”.

O envolvimento de Macron no Líbano é parcialmente causado pela história francesa, de acordo com analistas. Cem anos atrás, a França adquiriu a Síria como seu mandato após um longo cabo de guerra com o Império Britânico. A Síria foi um dos países que dividiu os vencedores da Primeira Guerra Mundial entre si após o colapso do Império Otomano. O Oriente Médio havia pertencido formalmente ao Império Otomano, que Erdoğan “admira” há séculos.

Nesta sexta-feira (14), os chanceleres da União Europeia vão se reunir para discutir, entre outros assuntos, as tensões com a Turquia.

As relações entre França e Turquia também já estavam tensas por causa do conflito na Líbia. Os dois países entraram em confronto em várias ocasiões e muitas queixas históricas nunca foram sanadas.

Macron pediu no mês passado sanções da UE contra a Turquia por “violações da soberania grega e cipriota sobre suas águas territoriais”.

Em um post no Twitter na quarta-feira (12), o primeiro-ministro grego Kyriakos Mitsotakis avisou à Turquia que pode haver risco de um conflito quando tantas tropas estão concentradas em uma área limitada.

“A responsabilidade se reclina em quem causa essas condições. Nunca seremos os primeiros a criar as condições. Mas nenhuma provocação ficará sem resposta”, disse Mitsotakis.

Fonte: Conexão Política

Dê sua opinião: