INTERNACIONAL

Estudos internacionais mostram que alguns corticoides reduzem mortalidade por covid

A meta-análise foi realizada por um grupo de trabalho formado pela OMS para dar rápida resposta sobre possíveis tratamentos para covid

Imagem ilustrativa

Imagem ilustrativa

Um estudo de meta-análise, que reuniu evidências de sete ensaios clínicos realizados em 12 países, incluindo o Brasil, confirmou que medicamentos corticoides reduzem a mortalidade por covid em pacientes com quadros críticos de covid.

A pesquisa, publicada nesta quarta-feira, 2, no prestigioso periódico científico Journal of the American Medical Association (Jama), avaliou a utilização de três medicamentos dessa classe: dexametasona, hidrocortisona e metilprednisolona.

Os estudos analisados tiveram a participação de 1,7 mil pacientes. Todos os ensaios clínicos foram randomizados, ou seja, os participantes de cada grupo (o que recebeu o medicamento e o grupo controle) foram escolhidos por sorteio. No grupo que tomou um dos corticoides, 32% dos pacientes haviam morrido após o período de seguimento de 28 dias. Já entre os pacientes que só receberam o suporte clínico padrão, a mortalidade no período foi de 40%.

A meta-análise foi realizada por um grupo de trabalho formado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para dar rápida resposta sobre possíveis tratamentos para covid. O grupo conta com cientistas de todo o mundo, incluindo do Brasil.

Entre os estudos que foram considerados nessa meta-análise está uma pesquisa coordenada pelos principais hospitais privados brasileiros que mostrou que a dexametasona foi capaz de reduzir o tempo de entubação entre doentes graves.

As novas evidências reafirmam os achados de um estudo da Universidade de Oxford (Reino Unido) divulgado em junho no qual a dexametasona mostrou-se capaz de reduzir em um terço o número de mortes entre pacientes entubados. A partir das pesquisas divulgadas nesta quarta, a Organização Mundial da Saúde (OMS) deve divulgar novas recomendações sobre o uso de corticoides.

Fonte: Jornal de Brasília

Dê sua opinião: